Imagem pública de Isabel II do Reino Unido

Como monarca britânica, Isabel II é a efígie nas moedas da libra esterlina desde sua coroação em 1953.[1]

A Rainha Isabel II é um dos monarcas mais populares da história do Reino Unido e da Grã-Bretanha. Como nunca concedeu entrevistas à imprensa, suas visões sobre questões políticas são quase que totalmente desconhecidas do grande público, exceto dos chefes de Estado e de governo de sua confidência. Conservadora em vestimenta e etiqueta, Isabel II é conhecida também por sua preferência a cores sólidas e trajes de alta costura,[2][3] o que, com o decorrer dos anos, se tornou uma marca pessoal. Como chefe de Estado do Reino Unido, chefe da Casa de Windsor e chefe da Igreja de Inglaterra, a monarca participa de inúmeros eventos públicos em todo o país e ao redor do mundo, empreendendo visitas de Estado às mais diversas nações.[4]

Personalidade

O que se conhece sobre a personalidade de Isabel II é o resultado de impressões e descrições dos mais próximos a monarca. Após uma reunião privada, Michael Ignatieff, Líder da Oposição do Parlamento do Canadá, descreveu o "maravilhoso senso do absurdo" e afirmou que o "senso de humor, sendo do absurdo e senso de comédia resistiram à 60 anos de uma esgotante vida pública".[5] Após uma curta temporada no Castelo de Balmoral, a então Governadora-geral Michaëlle Jean disse ter testemunhado uma "tranquila e informal vida familiar" da monarca: Isabel preparando a refeição com seus filhos - incluindo uma salada feita pela própria monarca - e lavando a louça depois.[6] Lady Pamela Hicks, prima do Duque de Edimburgo, comentou que Isabel seria "individualista". A mãe de Hicks lembra-se de quando Jorge VI faleceu. Isabel e Filipe estavam no Quênia quando receberam a notícia da morte do rei; "Sinto muito, mas teremos de voltar à Inglaterra", teria dito a futura monarca segundo Hicks.[7]

Imagem pública

Isabel II cumprimenta súditos em Birmingham, 2012, por ocasião de seu Jubileu de Diamante.

As pesquisas de opinião geralmente demonstram altas taxas de aprovação popular a Isabel II;[8] coincidindo com seu Jubileu de Diamante, a monarca obteve aprovação de 90% no Reino Unido, em 2012.[9] De acordo com uma pesquisa da agência YouGov em janeiro de 2014, a monarca era a personalidade mais admirada no país, com taxas de aprovação de 18,7%. No âmbito internacional, Isabel II ficou em 17º lugar entre as personalidades mais conceituadas, segundo a mesma pesquisa.[10][11]

Trajes utilizados por Isabel II em exposição no Castelo de Hillsborough, em 2013.

Isabel II usa de pouco poder político nas funções cotidianas, portanto, sua imagem raramente é associado a atos impopulares dos demais políticos britânicos. Suas reuniões semanais com o Primeiro-ministro e com outros membros do gabinete passam ao público a imagem de quem está sempre empenhada no serviço do país; o que também contribui para sua alta popularidade. Em 2002, a monarca ficou em 24º lugar numa pesquisa da BBC para eleger os 100 Maiores Britânicos.[12] Em 1997, ela e outros membros da Família real tornaram-se alvo de tabloides por sua reação contida acerca da morte de Diana, Princesa de Gales.[13] A monarca, por razões desconhecidas, ignorou a norma de reverenciar o ataúde de Diana quando passava pelo Palácio de Buckingham; porém realizou um discurso televisionado em homenagem a mesma.[14]

Estátuas de Isabel II e Filipe, Duque de Edimburgo no Madame Tussauds de Londres.

A imagem pública de Isabel II têm se suavizado nos últimos anos; ainda que permaneça reservada em pública, a monarca têm sido fotografada e filmada em momentos de descontração pública e emoção (como sua comoção nas comemorações do Dia da Memória[15] e na cerimônia de casamento de Guilherme de Gales e Catherine Middleton).[16] Na maioria de suas aparições públicas, a monarca prefere usar peças de cores sólidas; uma das razões para tal seria a visibilidade e destaque que as cores provocam à distância.[2][17]

Nos anos recentes, Isabel II também têm sido reportada como uma matriarca. A própria afirmou ser "viciada" em jogar Nintendo Wii, que teria sido um presente de Kate Middleton ao Duque de Cambridge.[18] A monarca também gerencia sua própria conta de e-mail e possui um celular particular e um iPod.[18] Em 2009, o Presidente americano Barack Obama presenteou a Rainha com um iPod personalizado.[19]

Personalidade diplomática

O Presidente estadunidense Barack Obama e Michelle Obama foram recebidos por Isabel II no Palácio de Buckingham, em 2009.

Em questão de diplomacia, Isabel II é conhecida como uma monarca formal e, portanto, o protocolo real em seu entorno é altamente rígido. Apesar da suavização de algumas regras tradicionais de tratamento com a monarca (reverência não é mais exigida, por exemplo, apesar de ainda amplamente executada), outras maneiras de interação pessoal, como toques físicos, não são recomendados pelos assessores da Coroa. Ao menos seis pessoas são conhecidas por quebrar esta regra, sendo a primeira uma norte-americana chamada Alice Frazier que abraçou a monarca em 1991 durante uma visita de autoridades à sua residência em Washington, D.C..[20] Em 1992, o Primeiro-ministro da Austrália Paul Keating foi fotografado envolvendo a Rainha com um de seus braços. O ciclista canadense Louis Garneau cometeu a mesma gafe quase uma década depois ao posar para uma fotografia ao lado da monarca em Rideau Hall.[21][22]

Em 2009, a Rainha encenou um gesto amigável com a Primeira-dama Michelle Obama numa recepção oficial no Palácio de Buckingham. A monarca posicionou sua mão nas costas de Michelle, que retribuiu o gesto.[23] A imprensa divulgou o feito como "sem precedentes" enquanto um porta-voz da realeza britânica descreveu como "uma mútua e espontânea demonstração de afeto" entre as duas figuras.[23][24]

Recentemente, setores da imprensa especializados em etiqueta têm destacada supostos sinais utilizados pela monarca e sua equipe pessoal em eventos sociais.[25] Segundo o jornalista Hugo Vickers, quando a monarca "move seu anel de casamento" é um sinal de que deseja o "fim imediato da conversa ou evento em andamento".[26] Por outro lado, quando Isabel II posiciona sua bolsa em uma mesa é um sinal de que deseja o fim do jantar ou evento em no máximo cinco minutos.[27]

Percepção da imprensa

Ao longo de seu reinado, Isabel II têm participado de diversos eventos culturais como parte de seus deveres públicos. A monarca manteve a tradição de emitir uma mensagem natalina anual aos povos da Comunidade das Nações desde 1969. Sua primeira mensagem televisionada foi transmitida em 1957. Em 2001, a Mensagem Real de Natal foi transmitida pela internet pela primeira vez e, em 2006, foi disponibilizada como podcast. A primeira aparição de Isabel II na televisão em transmissão ao vivo foi em 1959, quando a monarca inaugurou oficialmente o Canal de São Lourenço.

Isabel II nunca concedeu entrevistas à imprensa. Em 2018, a monarca conversou por alguns minutos com Alastair Bruce de Crionaich para o documentário The Coronation. Em 2006, a rainha havia sido filmada em uma conversa com o artista australiano Rolf Harris durante a produção de um retrato oficial. Na ocasião, Isabel II apenas respondia de maneira monossilábica a algumas perguntas feitas por Harris sobre retratos anteriores. Por outro lado, a conversa com o também pintor Andrew Festing sugeriu uma imagem mais jovial e alegre de Isabel II em cenas do documentário Elizabeth R, produzido pela BBC em 1992.

Na cultura popular

Cinema

A atriz britânica Helen Mirren recebeu o Óscar de Melhor Atriz e o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Filmes de Drama por interpretar a monarca em The Queen.

No cinema, Isabel II foi interpretada por:

Referências

  1. «The Queen on coins». The Royal Mint. Consultado em 16 de abril de 2022 
  2. a b «Royal style: Why Elizabeth is the queen of color». CNN. 5 de junho de 2012 
  3. Cartner-Morley, Jess (10 de maio de 2007). «Elizabeth II, belated follower of fashion». The Guardian 
  4. Rebecca (1 de janeiro de 2016). «The Queen, 89, carried out 341 engagements in 2015 - shaming Harry, William and Kate who only managed 292 between them (but they're all beaten by Princess Anne)». DailyMail 
  5. Hume, Michael (2 de julho de 2010). «Queen Elizabeth meets Michael Ignatieff on her 'day off'». Toronto Star 
  6. Delacourt, Susan (25 de maio de 2012). «When the Queen is your boss». Toronto Star 
  7. Perry, Simon. «What Really Happened the Moment Elizabeth Discovered She Was Queen». People 
  8. «Ipsos MORI - Trend - Monarchy/Royal Family Trends - Satisfaction with the Queen». ipsos-mori.com. Consultado em 28 de abril de 2016. Arquivado do original em 19 de maio de 2015 
  9. «Satisfaction with the Queen at record high». Ipsos MORI. 15 de junho de 2012 
  10. Jordan, William (11 de janeiro de 2014). «YouGov - Revealed: The most admired person in the world». YouGov 
  11. «The Queen is the most admired person in Britain, says poll». Royal Central 
  12. «100 Greatest Britons - A complete list». Daily Mail 
  13. Alderson, Andrew (26 de setembro de 2009). «Criticism of Queen after death of Diana 'hugely upset' Queen Mother». The Telegraph 
  14. «Queen Broadcasts Live to Nation». BBC News. 1997 
  15. «Queen's tears for war dead». BBC. 8 de novembro de 2002 
  16. «Emoção e tradição marcam casamento real». Público. 29 de abril de 2011 
  17. Treble, Patricia (2 de setembro de 2015). «Dressed to impress: The classic uniforms of Queen Elizabeth II». MacLeans 
  18. a b «Queen's Wii addiction». Monster Sand Critics. 7 de janeiro de 2008. Consultado em 28 de abril de 2016. Arquivado do original em 25 de maio de 2009 
  19. «Obama gives the Queen a personalised iPod». Pocket Lint. Consultado em 28 de abril de 2016. Arquivado do original em 13 de junho de 2009 
  20. «Things a Queen Can't Do». The New York Times. 17 de maio de 1992 
  21. «Family snap breaks royal protocol». BBC News. 16 de outubro de 2002 
  22. Barnes, Becky (5 de março de 2015). «No touching, no hugging and no interruption: how to behave when you meet The Queen?». British Times 
  23. a b «Michelle Obama's G20 faux pas brings out Queen's touchy-feely side». The Guardian. 2 de abril de 2009 
  24. Low, Valentine (2 de abril de 2009). «Queen and Michelle Obama – the story behind a touching moment». The Times 
  25. Mansour, Arthur (3 de março de 2017). «This is how Queen Elizabeth escapes awkward situations». Global News 
  26. Dyball, Rennie (6 de janeiro de 2011). «How to Tell When The Queen Is Over You». People 
  27. Ward, Victoria (3 de março de 2017). «Discrete signals and Clarins lipstick: the secrets of The Queen». The Daily Telegraph 
  • v
  • d
  • e
Monarquias

Rainha de Antígua e Barbuda · Rainha da Austrália · Rainha das Bahamas · Rainha de Barbados · Rainha de Belize · Rainha do Canadá · Rainha de Granada · Rainha da Jamaica · Rainha da Nova Zelândia · Rainha de Papua Nova Guiné · Rainha de São Cristóvão e Neves · Rainha de Santa Lúcia · Rainha de São Vicente e Granadinas · Rainha das Ilhas Salomão · Rainha de Tuvalu · Rainha do Reino Unido · Primeiros-Ministros

Personal flag of Queen Elizabeth II.svg
Família

Jorge VI (pai) · Rainha Isabel, a Rainha-mãe (mãe) · Margarida, Condessa de Snowdon (irmã) · Filipe, Duque de Edimburgo (consorte)  · Carlos III (filho) · Ana, Princesa Real (filha) · André, Duque de Iorque (filho) · Eduardo, Conde de Wessex (filho)

Reinado

Primeiros-Ministros · Imagem pública · Guerra dos Galeses · Visitas de Estado · Visitas ao Commonwealth · Operação Ponte de Londres

Títulos e honrarias

Lista de títulos e honrarias · Chefe da Commonwealth of Nations · Bandeiras · Brasões de armas

Celebrações públicas
Relacionados
Ascensão e Coroação
Selos

Machin · Selos da Série Castle · Série Wilding · Selos de Taxa (Canadá) · Definitivos do País